Convite: Histórias de uma aula mista

conviteO livro contando a história da Escola Estadual de Ensino Médio D. Pedro II e do Bairro Rincão de Novo Hamburgo será oficialmente lançado no dia 02 de julho de 2016 no I Fashion Outlet. Muitas pessoas contribuíram com suas memórias possibilitando resgatar a história dessa escola que já teve muitos nomes. Algumas, como a Professora Leda Torres, cujas lembranças foram fundamentais, deixa seu legado registrado, apesar de não estar presente.

Criada em 1917 como Aula Mista, passou a Escola Subvencionada, Escola isolada, Escola Reunida, Grupo Escolar, todas seguidas do “Rincão dos Ilhéus”. Na década de 70 adotou o nome D. Pedro II, que antes designava outra escola localizada na região central da cidade.

Uma escola centenária, que nem mesmo tinha registro de nascimento, merece ter suas histórias registradas.  Essa é uma das tantas relatadas no livro.

EJA – Uma modalidade de vencedores

Eles venceram a disputa e em breve serão universitários.

Inúmeras vezes eu tenho me deparado com algumas colocações sobre os alunos da EJA – Educação de Jovens e Adultos – das quais discordo, pois se referem aos alunos da modalidade como pessoas com dificuldade para acompanhar o processo de ensino aprendizagem na integra. São discursos que incluem o tempo fora da escola, distorção série/idade ou a própria escolha da EJA por aparentemente ser mais fácil ou pela possibilidade de concluir o ensino básico em menor tempo.

A última opção – menor tempo – destacou-se na pesquisa sócio antropológica  realizada na escola no primeiro semestre de 2013, assim como a elevada porcentagem (acima de 80%) de alunos que declararam pretender continuar estudando após finalizar o ensino médio. Os dois motivos apontados como responsáveis pela interrupção dos estudos foram horário de trabalho e falta de interesse. Dificuldade de aprendizagem foi o item de menor representatividade entre as respostas dos alunos do ensino médio.

Na avaliação da maioria dos alunos voltar a estudar é uma conquista pessoal. O retorno aos bancos escolares eleva a autoestima e esse talvez seja o grande diferencial. As dificuldades podem ser superadas por todos, sejam elas relacionadas horário de trabalho ou de aprendizagem.  Assim como a falta de interesse é driblada pela motivação.

Alguns alunos resolveram se antecipar à formatura e ao resultado do ENEM e disputaram uma vaga no vestibular da Universidade Feevale.  Vale mesmo o esforço e a conquista. É mais uma vitória desses alunos da EJA. Nenhum obstáculo que não possa ser superado, nenhum sonho que não possa se tornar realidade. Parabéns e sucesso aos aprovados da T9 da Escola Estadual de Ensino Médio D. Pedro II de Novo Hamburgo.

Kely Caroline Dos Santos Narloch (011)  – Artes Visuais – Noite (bacharelado)

Lucas Rodrigues Nunes (022) – Educação Física – Noite (bacharelado)

Maristela Soares Da Silva (033) – Psicologia – Noite (bacharelado)

Gabriela Maria Cerutti (059) – Engenharia Civil – Noite (bacharelado)

Jaqueline Mariana De Oliveira (72) – Farmácia – Noite (bacharelado)

 

A Face da EJA – E.E.E.M.D. Pedro II – NH/RS

Criada em 10 de abril de 1917, a então Aula Pública do Rincão dos Ilhéus, ganhou como registro de nascimento a Ata nº 18, lavrada pelo então secretário da Intendência Municipal de São Leopoldo, Sr. Leopoldo Petry.

Muitas nomenclaturas e tantos outros anos após, a Escola Estadual de Ensino Médio iniciou seu trabalho com educação de jovens e adultos em 1974, no então Supletivo. Em 2014 completará 40 anos atendendo a esse segmento, agora na modalidade EJA – Educação de Jovens e Adultos, no horário noturno.

A ausência de dados específicos sobre a criação da escola encontrou eco também na EJA, a respeito da qual nunca havia sido realizada uma pesquisa que permitisse traçar um perfil dos alunos. Iniciando a formatação da ideia, numa dessas estranhas coincidências, a CRE nos enviou uma solicitação nesse sentido.

Alguns dos itens pesquisados poderiam ser comparados com aqueles dos anos anteriores, buscando no sistema, a partir da data em que foi implantado. Antes da informatização, as fichas de matrícula eram manuais e portanto, também seria possível averiguar, mas seria um trabalho gigantesco.

Seja na questão da falta de dados sobre a própria escola, sobre a qual não havia um “registro de nascimento”, ou na falta de dados sobre a EJA, a importância de ter registros é fundamental para “contar uma história”.

Após elaborados os questionários, os mesmos foram aplicados em sete (7) turmas, duas que correspondem aos quatro anos finais do Ensino Fundamental e cinco (5) do Ensino Médio.

Alguns resultados surpreenderam, outros confirmaram  o que era presumido. Os dados serão disponibilizados em diferentes postagens, iniciando com a questão de gênero.

 Gênero EF EJA                                                           Os anos finais do Ensino Fundamental apresentam Gênero EM EJAum número maior de alunos do sexo masculino e a proporção entre os sexos é praticamente a mesma nas turmas que correspondem ao primeiro e segundo anos do Ensino Médio, invertendo-se no último ano.

Os gráficos utilizam azul para o sexo feminino e vermelho para o masculino, conforme consta na legenda.

A procura continua!

Veja fotos da escola D. Pedro II nas décadas de 40 e 90 e compare
com a imagem de 2012.

http://escoladpedroiinh.wordpress.com/2012/10/18/procura-se-fotos-e-historias-de-alunos/