Censura surreal

Presumivelmente, ele só queria ficar longe dos holofotes e para tanto, recorreu à justiça, amparado pela constituição democrática vigente no país. Assim, todos os veículos do Grupo RBS foram proibidos de divulgar o nome e a imagem do vereador Adenir Webber, de Dom Pedro de Alcântara, que ganhou notoriedade através da reportagem que mostrou a “farra das diárias”.

Apesar de não ter solicitado o reembolso posteriormente, assinou presença como se tivesse participado do evento, o que efetivamente não ocorreu.  Pode não ser ilegal, mas é imoral. Assim como tantos outros atos envolvendo políticos.

O nome do vereador ganhou destaque internacional. Censura surreal.

Condoído talvez pelas mazelas do povo, resolveu também mirar o próprio pé. Com direito a holofotes e a citação do nome em crescimento exponencial.

Democracia é isso. A imprensa é livre para noticiar, até que a justiça entenda que a notícia fere a Lei. Assim, seja o mau uso do dinheiro público, seja o uso indevido da imagem, nesse caso impedido por ordem judicial, são passíveis de sofrer os rigores dessa mesma Lei.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s