Família La Dina Bra Zil e Edu Candolvídio -I

Edu é um garoto que sonhador… sonha em ser jogador de futebol, como outras centenas de milhares de garotos de sua idade. Sua segunda opção é ser político, pois recentemente descobriu que esta profissão não exige muito estudo e nem precisa ler, como sempre afirma a ‘sora’ de português. A simples menção da palavra lhe causa urticária, nome que ele só gravou por causa da lembrança do pé de urtiga no qual encostou.

Como seus pais são acionistas da empresa Impostos & Impostos SA, ele estuda numa escola da rede, mais sem muito empenho, apesar de seu pai sempre falar que contribui com cinco meses de salário todo ano e que é um direito de todo cidadão, ops, digo, de todo acionista.

Edu acha a escola uma chatice, nem bem entra o ano e já começa a faltar, só não falta mais porque sua mãe ficaria muito brava de perder o auxílio que recebe da empresa todo mês, que seu direito como acionista, mas desde que os filhos estejam na escola. Assim, eles e seus quatro irmãos revezam nas faltas, porque são muitas bocas para alimentar com um pouco mais de salário mínimo que seu pai costuma ganhar.

Até ofereceram uns cursos, para quem quisesse se qualificar, mas não tinha nenhum para aprender a jogar e nem vale a pena fazer um curso, porque depois tem que levantar cedo, respeitar horário e patrão. Não dá para vadiar debaixo do pé de chorão, nem ficar de bobeira com a turma no madrugadão.

Ele gosta mesmo só de duas matérias: educação física e matemática. No último ano, a falta de professor de matemática durante três meses quase lhe tirou o tesão. Só agüentou para não perder o dinheirão. Até porque não tem irmão, como seu amigo João, que pegou emprestado o carro do patrão, mas esqueceu de pedir permissão e mesmo coberto de razão, porque não era ladrão, acabou na prisão e sua família recebe auxílio reclusão. E, o melhor é que vem limpinho, sem desconto não, porque nem precisa pagar o carrão que destruiu numa colisão.

Esperto Edu é. Quer ser rico, famoso e bajulado. Quer morar numa mansão e comer camarão – só provou uma vez na casa da madrinha – dirigir um carrão arrumar e um montão de garotas. Pura diversão. E nisso pensou numa nova profissão, afinal começando como vaporzinho, logo vai ganhar um dinheirão.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s